{M} Tessa W. H.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

{M} Tessa W. H.

Mensagem por Lust em Sab Dez 19, 2015 1:13 pm



the task
H U N T E D

Estava quente e a umidade na prisão aumentava, o calor era infernal, para completar a situação da jovem loira um par de guardas encapuzados invadiu a cela de garota – Se resistir usaremos da força bruta. – falou em um tom ríspido e seco enquanto sacava uma haste plástica preta, que passou a emitir uma frequência que inibiu os poderes da moça.

Dependendo da atitude da bela loira, os guardas poderiam ser bem convincentes através de seus músculos e equipamentos de tortura. Por fim chegaram a uma sala ampla e totalmente branca, onde uma voz esganiçada e macabra começou a ressoar pelo ambiente.

- Teresa – um sorriso sádico emanou pela sala, que agora se encontrava fechada e sem escapatória – Esperava a sua presença, tinha que ver com meus próprios olhos, essa mulher tão linda que meus companheiros tanto falavam – cinco minutos de silencio e a voz voltou a se repetir – Seja bem-vinda a sala de projeções, sua segunda casa, a primeira é sua cela, logicamente – riu mais uma vez – Preparei uma situação especial para você, linda.

O ambiente foi modificada blocos pesados eram projetados do chão, uma pilha de sucata foi arremessada de algum lugar do teto, e logo um lixão amplo e sem fim havia se formado no local. Porém a maior surpresa eram as bobinas de tesla que brotavam do chão. De repente raios cortaram o ar provocando um som ensurdecedor, que muito cientistas chegam a considerar como música.

- Minha querida, em alguma parte desse deste lixão você vai encontrar uma chave de 25 centímetros com encaixe perfeito ao painel de controle, realizando Tal proeza toda projeção da sala se desfaz.



Ambiente: Lixão semelhante a um ferro velho, amplo e repleto de sucata.
Objetivo: Desativar a sala utilizando uma chave que se encontra escondida em meio à bagunça.
Narre em apenas um único post.
A voltagem das bobinas são o suficiente para provocar a morte de um animal de grande porte, porém por você ser resistente à eletricidade, esta não te causará um dano alto.
Além das bobinas, escondido no meio da sucata haverá pequenos droids feitos de materiais diversos, são elipses flutuantes com pinças, alguns capazes de lançar labaredas.
Seja coerente é uma atividade de dificuldade mediana, embora a missão seja como encontrar uma agulha em um palheiro.
Narre a sua ida da cela até a sala de projeções, não esqueça do seu encontro com os dois carcereiros.
Ao completar a missão um gás sonífero invadirá a sala e você acordará já em sua cela.
Boa sorte... Duvidas, envie MP.
@DFRabelo

● ● ●


Give me your body, give me your Blood
avatar
Lust
this is our reign
this is our reign

Mensagens : 21
Data de inscrição : 05/12/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {M} Tessa W. H.

Mensagem por Tessa Wërtz Hoffmeister em Ter Dez 22, 2015 4:48 pm

the task
so you think i'm your whore
O calor fazia um filete de suor escorrer pela testa de Tessa. Ela já cansara de secar, e, caso continuasse, estaria sendo feita de boba pelo próprio clima. O que outrora fora frio e agradável, agora tornara-se quente e infernal. Uma dorzinha de cabeça atrapalhava seus pensamentos perdidos, e era isso o que mais a irritava. Estava ali há apenas algumas semanas, e, não por falta de tentativas, ainda não havia enlouquecido. Nesse meio tempo conheceu gente de todo tipo, por mais que não fosse a mesma coisa do que as antigas amizades. Eram melhores, até, do que aqueles mauricinhos metidos com quem tinha de conviver em Berlim. Um suspiro escapou de seus lábios rubros, quase ao mesmo tempo que a porta de sua cela era aberta abruptamente.

Mas que porra...? — ela exclamou num primeiro momento, mas um segundo depois percebeu de quem se tratava. Postados à porta, dois guardas extremamente musculosos, que facilmente poderiam quebrá-la ao meio, olhavam-na como se ela fosse um ratinho de laboratório. Ela sentou-se, rígida, na cama, encarando-os com o semblante mau humorado. "Se resistir usaremos da força bruta", foi o que um deles disse, antes de se dirigir a ela e fazê-la levantar-se. Teresa fez como o guarda disse, embora nem um pouco de bom grado. Seguiu-os para fora da sala, porém, antes de sair completamente para o corredor dos detentos, estancou e respirou fundo. — Para onde estão me levando? Eu não fiz nada, caras — tentou, almejando se desvencilhar dos apertões que eles lhe davam. Não conseguiu respostas, apenas foi guiada até uma sala.

Foi despejada em uma sala onde nunca estivera, de paredes brancas e dimensões amplas. A porta fechou-se logo atrás de si, e ela ouviu o clique da tranca. Estava ali, sozinha, e, pelo que sabia da prisão, não podia esperar coisa boa. Não demorou muito e uma voz de tom tétrico retiniu pela sala, saindo, aparentemente, de alto-falantes, onde quer que estivessem. A voz chamou pelo seu nome, e depois lhe encheu de elogios, ao som dos quais Teresa quis vomitar. Não fez a desfeita para não conseguir cicatrizes enquanto estivesse sendo espancada. Mas espancada para o quê? Não falou nada, deixou que a voz continuasse, aguardando explicações. A voz falou-lhe da tal sala de projeções, enquanto o cenário era tecnologicamente modificado. Blocos surgiram, e também sucatas, fazendo-a sentir-se em uma espécie de ferro-velho de proporções titânicas. Recebeu um objetivo: tinha de achar uma chave que desligasse as projeções, e, ali, em meio à tudo aquilo, seria uma tarefa quase impossível. Sentiu o coração bater rápido e seus olhos de um tom verde elétrico se arregalarem. Suas pupilas dilataram-se.

Que comecem os jogos — ela sussurrou para si mesma enquanto um estrondo rodopiava o céu, onde deveria haver o teto. Ela tinha um objetivo se quisesse continuar viva. E teria de agir rápido se quisesse sair logo dali.

As opções de por onde começar eram tantas que ela nem sabia para que lado ia. Decidiu traçar uma linha imaginária no centro daquele lixão, para desenvolver uma busca mais planejada. Foi-se, então, para o lado esquerdo. Ali, várias pilha de carros velhos, sucateados, e eletrodomésticos também, erguiam-se, imponentes, sugerindo ótimos esconderijos prováveis para a pequena chave. Tessa apressou-se para a primeira pilha, porém, no meio do caminho, uma bobina chiando fê-la parar. Só descobriu que foi a coisa errada a fazer quando levou o choque que a bobina lançou, o que deveria ter feito a loira cair na mesma hora. A Hoffmeister, entrementes, apenas sentiu um formigamento nas palmas das mãos e nas solas dos pés, onde toda a descarga encontrava saída. Ela engoliu em seco e partiu para a pilha, tocando nela.

Vamos, tomara que esteja aqui — sua voz saiu rouca quando sua mão encostou na pilha de sucata. Fechou os olhos enquanto tentava se concentrar. Tinha de energizar a pilha, tentar sentir o pequeno objeto, mas não encontrou nada ali. Soltou um suspiro exasperado quando partiu para a próxima pilha. Tentou o mesmo com todas as pilhas, embora as bobinas que apareciam lhe atrasassem, porque os choques ficavam cada vez mais potentes, e, apesar de não derrubarem-na, ela sentia a mudança drástica de voltagens. Seu corpo não tinha espaço para tanta energização. Ela olhou para trás, para as bobinas, e para a direção para a qual mandavam seus choques. Tentou construir na cabeça um tipo de mapa daqueles objetos, visando desvendar alguma ligação entre eles, algum tipo de sequência. Notou que seguiam-se em dupla, sempre em frente, tentando acertar a loira. Se ela desviasse para o lado contrário rapidamente, ela teria uma chance de se sair dali.

Seguiu naquela linha de pensamento, colocando-a em prática, e deu certo. Conseguiu repetir o ato que fizera outrora nas outras pilhas, desviando o máximo que podia dos raios, pousando a mão nas sucatas, tentando sentir se a chave ali se encontrava. Mordeu o lábio, impaciente. Suava, o uniforme molhado. Só queria sair dali logo.

Seguiu, então, correndo para o lado direito do ferro-velho. Não demorou muito para que o desafio daquele perímetro lhe aparecesse. Pequenos robôzinhos, droids, como são chamados, que fizeram-na lembrar-se de Star Wars. Mas não eram nada amistosos, e o primeiro que encontrou partiu para atacá-la. Ela dava conta de apenas um, batendo nele, chutando-o e fazendo-o colidir contra mais pilhas de sucata. Tessa foi até lá, tocou na pilha, repetindo a mesma manha de tentar sentir a presença da chave, mas não achou nada. Mais robôs começaram a vir, agora de dupla. A loira ainda conseguia bater neles até que quebrassem, apesar de que seu punho estava doendo, vermelho, com filetes de sangue saindo. Eles quebravam com facilidade, no início, porém, conforme ia avançando lixão adentro, atrás da chave, eles iam ficando maiores e mais resistentes. Até que as mãos da garota estavam em carne viva, de tanto bater, e seus pés estavam doendo de tanto chutar. Começou a descarregar sua energia contida no âmago para eles, para dessem curto, enquanto continuava a procurar a chave, porém tudo ficava cada vez mais difícil.

Até que viu, então, um brilho dourado. Lá estava ela, em uma carcaça de droid. A chave dourada, tal qual a voz sinistra havia falado. Tessa correu na direção dela, sendo perseguida pelos robôs. Se a alcançasse e corresse para o ponto de onde saíra, não precisaria mais lutar com aquelas coisas, porque desapareceriam assim que ela desligasse a sala de projeções. Fez força para erguer-se do chão empoeirado e mais ainda para alcançar o pequeno objeto, que reluziu ao seu toque. Umedeceu os lábios enquanto voltava-se na direção de onde viera inicialmente, sendo perseguida pelos droids. Uma bobina apareceu do nada e fê-la cair com um choque especialmente forte, e isso a retardou em relação a um dos robôs, um grande e de aparência violenta. Ele quase a alcançou, mas Teresa levantou-se a tempo e passou a correr mais rápido. Sua respiração estava pesada e seu peito doía, mas ela alcançou um painel, enfiou a chave, e, no momento em que o robô iria atacar com toda a sua fúria de lata, ela girou a chave, e tudo se apagou.

Tessa largou-se no chão, encolhida e cansada, esperando pelo pronunciamento daquela voz inicial, mas nada além de uma fumaça veio, e, ao aspirá-la, tudo o que conseguiu fazer foi cair na inconsciência.
i'm not weak as you think i am. i'm a queen, and queens do not lose. so shut fucking up.


● ● ●

a heart full of love
a heart full of song
avatar
Tessa Wërtz Hoffmeister
the stuck-ups
the stuck-ups

Mensagens : 137
Data de inscrição : 18/12/2015
Idade : 22
Localização : Na beira do mar, ooh.

Ficha do Prisioneiro
Nível: 11
Experiência:
92/100  (92/100)
Mochila:

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {M} Tessa W. H.

Mensagem por Lust em Ter Dez 22, 2015 11:36 pm



Correção
H U N T E D



Parabéns Tessa, conseguiu compreender bem o tema da missão, detalhando cada parte do cenário o que incluiu um toque de veracidade ao post, sua escrita é primorosa e sem dúvidas instiga o leitor, amei o desfecho de sua história, houve apenas pouquíssimos erros de concordância e uma maior atuação dos droids durante o combate... Porém fora essas duas observações, seu post está incrível!!


Gramática - 4/5
Descrição e interação com o ambiente - 5/5.
Coesão e Coerência -  5/5
Interação com NPC - 4/5
Narração (realidade do post) - 5/5

Nota: 4+5+5+4+5 = 23x4 = 92 XP
+ Par de Walktalks enferrujados (Com bom funcionamento se relevar o chiados).
@DFRabelo
[/quote]

● ● ●


Give me your body, give me your Blood
avatar
Lust
this is our reign
this is our reign

Mensagens : 21
Data de inscrição : 05/12/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {M} Tessa W. H.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum