{M} Dimitri Volk Orlov

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

{M} Dimitri Volk Orlov

Mensagem por Runaway em Sab Jan 02, 2016 12:55 pm



murder house
H U N T E D


Nome: Dimitri Volk Orlov
Poder: Intangibilidade
Nível: 2

Dimitri acorda em meio a uma clareira. Tudo está escuro, mergulhado no mais perverso breu que era acompanhado por uivos melancólicos. Nem a lua mostrava todo seu esplendor naquela noite. Desnorteado, o rapaz iniciou uma caminhada entre a floresta, em busca de alguma saída para aquele lugar. Ele estava faminto, sujo e cansado, e não tinha ideia de como ficara daquela maneira. Os uivos se tornaram mais presentes, mais próximos, denunciando que por ali perto havia uma matilha de lobos que poderiam facilmente alcançar Dimitri. O rapaz então encontra luzes em meio a escuridão, uma cabana média, bem arquitetada e equipada. Decidi ir até lá, buscar alguma ajuda. O homem já com seus fios brancos o atendeu, portava um porte físico até aceitável e suas feições eram duras. - O que quer? - indagou rispidamente o homem. Dimitri revelou suas intenções, queria apenas comida e poder usar o telefone, afinal. - Não! Apenas saia daqui! - respondeu o homem, com os olhos esbugalhados e já na iminência de fechar a porta. - ANDE, SAIA DAQUI! - e assim a porta foi se fechada, negando toda a ajuda que Dimitri precisava. Mas o garoto não iria deixar aquilo assim; estava faminto, na floresta não havia nada. Faria de tudo para sobreviver.

Narre você sendo conduzido até a sala de projeções por guardas, o local é totalmente branco e sem nenhuma mobília, você é preso em uma cadeira onde furam sua veia com uma seringa. A partir daí a simulação se inicia. É uma opção descrever ou não sua saída da sala; pode finalizar desmaiando subitamente ou vendo a projeção se dissipar.
Você irá roubar a casa: comida ou qualquer coisa que lhe ache útil para sua jornada até a civilização. Mas você irá descobrir um cadáver, de uma mulher que julgava ser esposa do homem. Nisso, o homem vai te descobrir na casa e irá tentar te calar (te matar, para ser mais específica) e você precisará se defender e criar uma armadilha para manter o homem preso até que a polícia chegue.
Seja coerente a respeito da condição do seu personagem, do psicológico, físico e mental, leve em consideração os atributos e perícias também. Coloque-os em spoiler no final da missão.
Narre sua missão em um único post.
Qualquer coisa envie MP. Boa sorte!
@DFRabelo

● ● ●

You can't runaway

avatar
Runaway
this is our reign
this is our reign

Mensagens : 49
Data de inscrição : 27/11/2015
Localização : -

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {M} Dimitri Volk Orlov

Mensagem por Dimitri Volk Orlov em Sex Jan 08, 2016 5:16 pm




Dream is Collapsing




Definitivamente nós éramos cobaias de algo e tipo, eu não ligava para esse tipo de coisa, mas precisavam de toda hora me drogar? Cara, eu nem estava mais reagindo quando aquele putos uniformizados vinham me pegar, então pra que me drogar? Será que sedado eu era mais útil aos propósitos deles? Mais uma pergunta sem resposta, como tantas outras que me surgiam enquanto dormia naquele catre duro ou precisava comer aquela gororoba que eles nos davam para comer. Aquele dia não foi diferente, antes mesmo de eu me levantar, cerca de cinco guardas armados com aqueles teaser elétricos com descargas potentes, já levei dessas aí umas três vezes e vou te contar, não é nada divertido. Mas eles usaram a velha tática do tranquilizante para urso, só para variar um pouco.

Só sei que dessa vez eu acordei no meio de um lugar cercado por árvores altas, na maioria, pinheiros. Meus olhos demoraram para se acostumar com a escuridão total do lugar e meu estômago roncava de fome, como se eu estivesse sem comer a dias. Escutei não muito longe de onde eu estava uivos de lobos e movimentação na mata. Eu é que não ia ficar ali esperando que a alcateia viesse me fazer de jantar. Me levantei do chão de terra batida em que eu estava e segui por algum tempo sem rumo algum, apenas querendo me afastar dos meus supostos algozes do momento, a alcateia de lobos. Vi a uns 100 metros uma luz amarela e fraca de uma velha cabana. Segui para lá me apegando na ideia de que os moradores dali seriam compreensivos e receptivos para aceitar alimentar e abrigar um forasteiro. Eu podia sonhar, né?

Corri até a cabana o mais rápido que pude e um tanto ofegante bati na porta de madeira. Fui recebido por um senhor de cabelos grisalhos e tipo, eu sei que não sou o sujeito mais carismático do mundo, principalmente no estado em que me encontrava naquela noite, mas arrisquei falar com o velho que logo de cara se mostrou tão carismático quanto eu mesmo era.

- Me desculpe senhor, eu não sei como vim parar aqui e estou morrendo de fome..será que pode me dar algo para comer?

A resposta do velho foi um ríspido e sonoro “Não! Saia daqui!” ele nem me deixou argumentar ou pedir de novo, apenas deu mais uma vez a ordem para que eu saísse dali e bateu com a porta na minha cara e isso não foi nem um pouco legal. Resmunguei baixo e para mim enquanto me afastava da cabana para poder analisa-la e encontrar o ponto em que encontraria comida com mais facilidade.

– Tudo bem, vai pelo jeito difícil então..

Eu nunca tive problema nenhum em roubar qualquer coisa, fiz isso durante toda a minha vida praticamente, então assaltar a geladeira de um velho rabugento não iria pesar na minha consciência. Dei a volta na casa, tomando cuidado para não fazer barulho e fui meio abaixado para que o velho não pudesse me ver pela janela e quando cheguei no ponto que pensei que seria a dispensa da cabana, eu encostei a mão na madeira e fechei os meus olhos para me concentrar. Senti que minhas moléculas ia se ajustando e moldando da forma como eu queria e em alguns instantes consegui passar todo o meu corpo pela parede da cabana.

Bingo, eu havia conseguido entrar justamente na dispensa de alimentos. A luz que entrava ali vinha por debaixo da porta, pelo vão que havia na mesma. Não era muita luz, mas ao menos eu conseguia distinguir formas e contornos ali dentro. Como um guaxinim faminto, comecei a vasculhar a dispensa. Encontrei alguns pacotes do que parecia ser jerky beef, abri um deles para confirmar e ao sentir o cheiro da carne seca, agradeci aos deuses. Devorei todo o conteúdo daquele pacote e tateei os dedos pelas prateleiras para ver o que mais encontrava por ali. Achei uma espécie de bolsa de pano, daquelas que se leva em supermercados, a peguei e coloquei pelo menos mais uns cinco pacotes de jerky  beef.

Foi quando eu estava pegando os suprimentos que precisava que toquei em algo frio em um dos cantos da dispensa. Me virei imediatamente para ver o que era e praguejei em russo. Meu coração quase parou quando vi o corpo de uma senhora de uns 50 anos pendurado em um gancho daqueles de açougue. Como não havia mal cheiro, devia ter apenas poucas horas que ela estava morta. Aquilo me deixou transtornado ao ponto de derrubar algumas latas dentro da dispensa, o barulho lá dentro acabou chamando a atenção do velho, que imediatamente veio em direção à dispensa. Tentei com um cabo de vassoura quebrado evitar que ele conseguisse entrar no local, pelo menos até eu traçar um plano em minha cabeça para sair daquela situação. Puxei a cordinha para ligar a luz do lugar, já que não era segredo nenhum de que alguém estava ali. Percorri os olhos por toda a dispensa, vendo o que podia utilizar para conseguir escapar do velho, que ainda tentava abrir a porta na marra, a minha sorte era que a porta era de carvalho.

Vi algumas coisas interessantes lá dentro da dispensa agora que a luz estava acesa. Vi um rolo de corda de sisal com uma espessura de um 20mm quase acabando, tinha apenas uns 10 metros de corda no máximo, mas iria servir para o que eu estava planejando. Olhei uma vez mais para a morta e falei como se ela pudesse ouvir ainda.

– Não te conheço, mas prometo que esse velho sovina não vai sair impune nessa, moça.

Peguei a corda e um gancho parecido com o que a defunta estava pendura e amarrei a corda na ponta da corda. Lancei o gancho sobre uma viga mestra próxima ao telhado e a puxei para que ficasse lá travada. Eu não sabia se aquilo ia dar conta do velho, mas era a melhor coisa que eu podia pensar naquele momento. Na outra ponta da corda eu fiz um laço e cobri com a serragem que estava em um saco, provavelmente para ajudar a acender o fogão a lenha ou seja lá porque motivo eles guardavam aquilo na dispensa deles. A ideia era fazer o infeliz pisar naquilo lá e ser içado pelo pé, como naqueles desenhos animados, sabe? Eu não tinha certeza se daria certo ou não, mas torcia para que desse. A porta continuava a ser batida brutalmente pelo velho e aquilo me deixava mais ansioso e tenso. Mas eu devia ter desejado que ele continuasse a tentar abrir a porta daquele jeito, porque logo ouvi algo cortante ir contra a porta. Provavelmente o velho estava usando um machado para destruir a porta. Deu tempo apenas dar os toques finais na armadilha e vi a porta sendo quase partida na quinta machadada.

A primeira coisa que me passou pela cabeça foi que aquele velho não era um humano normal também. Era muita força pra um cara velho como aquele, por mais parrudo e grande como era. Quando ele conseguiu arrancar uma lasca da porta e começou a esbravejar com aquela cara de psicopata em fúria, me senti quase como a personagem daquela atriz feia em O Iluminado, com um Jack Nicholson louco tentando entrar onde eu estava. Foi então que ele conseguiu abrir um buraco suficiente para poder passar, o velho estava em um estado de fúria inacreditável, era como se estivesse possuído por algum ser ruim. A pele branca dele estava vermelha de tanta raiva e os olhos injetados e puro furor.

A primeira coisa que ele fez foi arremessar o machado em minha direção como se ela fosse uma machadinha indígena. Senti a lâmina afiada e fria passar de raspão pelo meu braço direito, deixando um corte feio ali. Urrei pela dor do corte e por sentir o sangue quente escorrendo pelo ferimento recente.

– CARA, VOCÊ TÁ FODIDO DE VERDADE! VAI PAGAR PELO O QUE FEZ COM AQUELA MULHER, FILHO DA PUTA! CAI DENTRO SE VOCÊ É HOMEM, SEU MERDA! ACABO COM VOCÊ COM UM BRAÇO SÓ! VEM VELHO BABACA!

Ok, eu estava blefando, meu braço doía pra caralho e  eu não sabia se iria aguentar lutar mano a mano com ele, mas a única maneira de fazê-lo vir até mim e talvez prendê-lo na armadilha improvisada. O velho foi ficando mais e mais vermelho e a fúria dele era tamanha que nem ao menos notou a corda pendurada, quando ele pisou na armadilha e acionou o gatilho, por uma graça divina talvez, a bendita funcionou, mesmo que não estivesse lá essas coisas. Só vi o velho sendo içado por um dos pés e ficar se debatendo no ar me ameaçando.

– SEU DESGRAÇADO! EU VOU TE MATAR! FILHO DA PUTA INFELIZ!

Não dei muito papo para o velho, apenas deu uma última encarada nele e saí da dispensa pelo buraco que ele havia feito ali. Eu não sabia onde estava, mas era meu dever denunciar aquele crápula. Fui para o telefone e próximo a ele encontrei uma conta com o endereço do lugar em que eu estava. Liguei para a polícia e como uma denúncia anônima, eu falei que tinha ouvido barulhos estranhos naquele endereço e pedi para que enviassem uma patrulha urgentemente para o lugar. Feito isso, eu apenas peguei uma toalha limpa e enrolei no corte em meu braço e saí da cabana dos horrores para mais uma vez perambular pela mata até avistar várias luzes, só podia ser um vilarejo, segui para lá e no meio do caminho, meus olhos viram um clarão intenso e eu me vi na bendita sala branca mais uma vez, não deu muito tempo para olhar muita coisa, pois já me anestesiavam, enquanto eu via um outro cara vestido de branco anotando alguma coisa em um papel na prancheta para então apagar.  

Spoiler:

Atributos
Destreza:08
Força:07
Inteligência:07
Carisma:01
Vigor:08



post: 008 | notes: -- | tagged: -- | music: Dream Is Collapsing - Hans Zimmer



● ● ●

avatar
Dimitri Volk Orlov
the boredom killers
the boredom killers

Mensagens : 75
Data de inscrição : 23/12/2015
Idade : 26
Localização : Cela 40

Ficha do Prisioneiro
Nível: 13
Experiência:
5/100  (5/100)
Mochila:

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {M} Dimitri Volk Orlov

Mensagem por Runaway em Dom Jan 10, 2016 2:14 pm



avaliação
H U N T E D


Coerência Missão: 27/30
Gramática/Estrutura: 18/20
Enredo/Criatividade: 30/30
Objetivo: 20/20

Bem, vou ser bem direta na sua avaliação, em vista que não tenho muito a desconsiderar dela. Primeiramente, foi uma ótima missão, parabéns. Notei alguns erros de repetição de palavras, acho que até você a trocou, pois ficou bastante confusa. "Peguei a corda e um gancho parecido com o que a defunta estava pendura e amarrei a corda na ponta da corda." A ideia da armadilha foi muito boa, e claro que eu sabia exatamente o que você queria fazer, mas em seu post não ficou muito bem explicado todo o desenvolvimento da armadilha, ficou um pouco confuso. Fora isso, as demais coisas estão muito boas.

95 xp.
Jaqueta camuflada.
Solicite a atualização no tópico especifico.
@DFRabelo

● ● ●

You can't runaway

avatar
Runaway
this is our reign
this is our reign

Mensagens : 49
Data de inscrição : 27/11/2015
Localização : -

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {M} Dimitri Volk Orlov

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum